quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O Inter 2000 e o Momento político atual

Quase voltei a postar poucos dias atrás, quando li nos jornais que o conselheiro Tiago Issa estava pedindo apuração de graves denúncias feitas publicamente, por outro Conselheiro, e ele ficara praticamente (ou totalmente) só no Conselho Deliberativo.
Já vi este filme...
Acho que trata-se do equivalente à "ZONA DE CONFORTO" que o nosso treinador falou do time.
Causa ou consequência?

Além de voltar a postar, muitas vezes dá vontade de apresentar uma chapa do Inter 2000 para concorrer na eleição do Conselho Deliberativo, qualquer dia destes... Não para buscar "ser gestão". Mas para garantir que aquelas pessoas que assumem posição possam ser independentes naquele órgão, sem precisar ficar atrelados a um comportamento "bonzinho" e "politicamente correto".
Este discurso "bonzinho" longe de ajudar o clube, prejudica-o. Estimula a "pusilanimidade" e o desenvolvimento do comportamento "inocente útil".

Quem garante que uma chapa do Inter 2000, com a postura que o Inter 2000 (que frequentei), não superaria a cláusula de barreira e faria alguns conselheiros que não deixariam fatos como o que citei acima passarem desapercebidos?

Muitos me perguntam a respeito da eleição de hoje.
Querem apenas saber em quem vou "VOTAR".

Mas o que me instiga é qual critério a adotar?

O certo seria pensar no melhor projeto estratégico para o Internacional.
Com as "propostas" que ouço e os comportamentos que vejo, na minha opinião, está tudo muito parecido.
O Internacional virou uma grande confraria.

Posso optar por votar por "Amizade".
Neste caso meu voto, sem dúvida, seria do Sandro. E do Luiz Henrique.

Posso votar para garantir o segundo turno.
Deveria votar no Lopez?

Ou quem sabe votar no Luigi para tentar entender o planejamento especialmente para o futebol e torcer que a nomeação de alguns nomes cogitados para a Vice-Presidência de Futebol oportunizem que conheçamos a capacidade de gerir o ambiente do vestiário e o conceito de "entender de futebol"?

Convenhamos....É muito pouco.

A ruptura com a situação que o Clube enfrentava até 1999 valeu a pena?
Na minha opinião sim. Fui Presidente num importante momento de transição econômica e jurídica do futebol, e acredito que, naquele momento foi feito o "tema de casa". Sem precisar abrir mão de princípios, sem concessões, sem interesses políticos...
Há uma postagem mais antiga aqui no site do Inter 2000 que falo em "ganhar e saber porquê".
Será que as "lideranças do clube" deixarão chegarmos em momento parecido com aquele para nova ruptura?

E permitirão que vozes como a do Tiago sejam "excluídas" do convívio do Conselho por não baixar a cabeça e fazer com que todos estejam "CONFORTÁVEIS"?




9 comentários:

  1. Caro Fernando
    Sou um admirador da sua história. Acho que fizestes um bem para o Inter lá atras, gerando uma ruptura positiva. Sou economista, e como tal acredito que os ciclos sao inevitáveis. Vejo que estamos vivendo o fim de um ciclo vencedor, e cada vez mais o Inter se parece com o dos anos 80/90: conselho cordato, alinhado. A eleição de hoje foi a prova disso. Da democracia do pátio, voltamos ao conselho. De um clube mais ou menos organizado, voltamos a bagunça.
    Esta na hora de voltares a liderar um movimento firme no Conselho. Vamos romper o ciclo negativo; caso contrario, serão anos difíceis e de derrotas.
    Conte conosco.
    Abraços
    Adalberto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adalberto:

      Não é questão para o Miranda.
      É questão de postura.
      Estou fazendo força para que os colorados percebam a importância da "independência intelectual" acima dos acordos políticos.

      NINGUÉM aguenta sozinho.
      Não existe pensamento mágico, nem salvador da pátria.

      O Presidente está eleito.
      E não devemos ter permanente eleição.
      Mas se nem o conselheiro tiver independência e estiver na "zona de conforto", o que dizer do time.

      Abraço,

      Excluir
  2. Perfeito Fernando! Precisamos de vozes ativas e pessoas realmente preocupadas com Sport Club Internacional, isto é, precisamos de mais Fernandos Mirandas e Tiagos. Aprovo totalmente a sua gestão no início da década de 2000, acredito que foi ela que deu sustentação para o trabalho bem feito que aconteceu posteriormente. Mas hoje vejo o Inter voltando aos anos 90, será que a história está se repetindo??? Está nascendo dentro do G7 o novo Império Otomano???? Não podemos deixar isso acontecer, o Koff já ganhou do outro lado e que repetir os anos nebuloso anos 90, precisamos mudar o rumo desta história, ela não pode se repetir, precisamos fazer o Inter voltar a andar para frente, pois não foi o que aconteceu nos últimos 2 anos.
    Saudações,
    Gilvan Lazzaretti
    Sócio 100784.00

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gilvan:

      E não é só a cada dois anos quando tem eleição.
      Elogiar o que tem para se elogiado, criticar o que tem para ser criticado e investigar o que tem para ser investigado é OBRIGAÇÃO PERMANENTE.

      Como dizes, não é só Mirandas e Tiagos que farão isto.
      Mas se apenas uma voz levantar ela deve ser ouvida e respeitada.

      Abraço,

      Excluir
  3. Caro Miranda bom dia!
    Muito bom seu comentario, acho que vou ser mais Miranda que você, e cobrar daqueles que um dia trabalharam contigo.Dos demais não vou falar poís não esperamos nada diferente.
    A decepção é com a "oposição" Fraca, sem voz tão politiqueira interna e externamente quanto os demais movimentos
    Olhando hoje para o conselho do Internacional vemos que não existe mais oposição de contraposição forte. Quando deveriam ser apresentados os projetos para a reforma do novo estádio, onde estava a oposição para cobrar? .Como aconteceu? Aos 45 tivemos que escolher talvez pelo menos prejudical , o que ainda tenho minhas duvidas, pois nada sabemos a respeito.
    Trabalhei para eleger um quadro oposicionista para que nos momentos necessarios pudesse ver sendo questionadas minimas coisas da gestão.
    Hoje os movimento são todos iguais, so pensam na busca de novas cadeiras , perderam a essecia do que querem, compoem sem ideologia e foco similares. Se submetem atras de uma cortina de oposição responsável,( bons meninos) porém totalmente omissos.( existem poucas exceções)
    O grupo Convergencia elegeu quase 90, onde estavam ontem??
    Comentavam que eram poucos e que precisavam da torcida no dia 15 para aumentar a representatividade.
    De novo a torcida votou na oposição na eleição anterior no patio para o conselho, e onde estava ela, minguada em função das composições de chapa elaboradas por ela mesmo , levando em consideração não os torcedores e parceiros fieis,mas sim com os amiguinhos engomadinhos que levam ao conselho pessoas sem comprometimento de partido e nos usam ao trabalharmos para coloca-los nas cadeiras, objetivo maior.
    Na realidade pensam somente eternização das suas cadeiras
    To p da vida, ese conselho hoje é responsavel por consequencias talvez desastrosas.O clube não estoura do dia para noite, mas acho que estamso proximos de outro divisor de aguas.
    Quem é quem dentro do conselho????

    ResponderExcluir
  4. Quem é quem dentro do conselho?

    Bom, acho mesmo que é importante sabermos quem é quem. Quem são os 26 votos que faltaram para o convergencia, que foram eleitos na eleição anterior (e eu votei neles) e que agora se escondem na saia do Luiggi? Quero os nomes. Ja pedi para o Convergência esses nomes e eles tambem não me responderam. Talvez não queiram expor quem são os PUSILANIMES ex-parceiros que os abandonaram em troca de carguinhos ou vagas de estacionamento. Sou sócio, estou p** da vida por não poder votar contra essa direção pifia de futebol. A vice eleita saiu do Convergência e agora é do Luiggi. O teu ex-vice presidente Lacher saiu do Convergência e agora apoia o Luiggi. Vergonha desse cd. Vergonha desses 166 conselheiros colorados que ignoraram a torcida como se fossem os donos do clube.
    Inter 103 anos,agora com 166 donos.

    Carlos Gebowiski

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos:

      Concordaria com 100% se vocÊ além do Lacher incluísse o Azevedo que era o outro Vice Presidente.
      Mas o próprio Convergência, convergiu tanto que algumas pessoas acabaram fazendo o que todo o grupo poderia ter feito.

      E se as pessoas pensarem parecido devem estar juntas.
      Só não podemos criar amarras para que pessoas independentes possam se manifestar.

      Abraço,

      Excluir
  5. Política é uma coisa complicada. Hoje as mesmas pessoas que chamavam a então situação dos anos 1990 de "império otomano" são as mesmas que são apoiadas pelos antigos imperadores e governadores do dito império...

    Há pouco mais de 2 anos (antes do "grande cisma", enquanto ganhávamos uma libertadores, qualquer um que falasse em abater o MIG seria bombardeado (com o perdão do trocadilho)... e nosso conselho é somente um reflexo disso.

    Eu sinceramente não sei o que acontece aí dentro, sou apenas um sócio que assiste a tudo de fora, mas seria muito bem vinda qualquer iniciativa para formar uma oposição de verdade. Ainda que sem objetivos de chegar ao poder (pois ele invariavelmente acaba mudando as pessoas), mas sim com o objetivo de evoluir ainda mais o estatuto e dar mais poder ao associado.

    Tivemos eleições quando ninguém tinha, mas na época tínhamos quantos sócios? 10 mil? Hoje somos quantos? 112 mil? Eleições indiretas e cláusulas de barreira fazem cada vez menos sentido diante de um universo de sócios tão amplo. Precisamos estimular a pluralidade de visões, pelo bem do nosso Inter.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Por favor, assine sua postagem.
Preferencialmente com seu e-mail e telefone que NÃO SERÃO PUBLICADOS.
Quem escreve aqui, assina o que diz.
Não assinar o comentário é uma ótima demonstração de pusilanimidade!

Obrigado,

Fernando Miranda